por Rodrigo Reina*

Para muitos dos adeptos das corridas de rua, um grande, (ou talvez o maior) desafio é, sem dúvida, a conclusão de uma maratona, prova com distância oficial de 42,195km. Mas para alguns seres “super humanos”, não basta correr “apenas” 42 quilômetros. Eles desejam algo a mais, como, simplesmente correr essa distância subindo sem parar.

No último sábado (02/09) ocorreu a 5ª Mizuno UpHill Marathon, na Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina, considerada uma das estradas mais bonitas do mundo, de acordo com a revista espanhola “20 Minutos”. Também conhecida como rodovia SC-390, ela faz a ligação entre as cidades de Bom Jardim da Serra e Lauro Müller.

Uma prova exclusiva, na qual os participantes inscritos (passam por um sorteio meses atrás), para percorrer três opções de distâncias: 25Km, 42Km ou a soma delas, o chamado Desafio Samurai com 67km no total.

Osmário Nunes de Moraes, mais conhecido como Bira, 45 anos, professor da Meditação Assessoria Esportiva há 2 anos, foi um dos 600 participantes da prova de 25km. Seu resultado foi espetacular: nono colocado masculino geral e 1º de sua faixa etária 45-49 anos, com 2h 18min 20seg. “Meu objetivo foi atingido porque gostaria de chegar entre os 20 primeiros colocados, pois sabia do nível de dificuldade dessa prova”, afirma Bira.

 

 Serra Rio do Rastro

Subida da Serra do Rio do Rastro, considerada uma das estradas mais bonitas do mundo, em Santa Catarina

 

Não houve tempo ruim para que não o fizesse completar todas as suas planilhas de treino, sem nenhuma falta, até o dia da prova. Tal dedicação, vontade e disciplina o fizeram conquistar um resultado de enorme respeito e muito abaixo do tempo de corte para essa distância, que foi de 3h30min, estrada acima, com um total de 1400m de altitude percorridos.

Todos os concluintes receberam medalhas de finisher, mas apenas os que concluíram dentro dos tempos limites dos regulamentos, levaram as duas medalhas para casa. Bira destaca a importância da torcida e do pensamento positivo de todos os seus alunos para o excelente resultado. “Em cada passada eu pensava nos meus alunos, em cada amigo que me disse uma palavra de incentivo para esse desafio, por isso, eu não poderia desapontar ninguém e não parei um segundo sequer para caminhar”, afirma Bira, que também é professor da JVM Assessoria, de seu irmão e corredor de grande destaque José Virgínio de Morais. 

 

Bira Portico

Professor Osmário Nunes de Moraes, nosso querido Bira, em 9º colocado geral e campeão da faixa etária 45-49 anos na 5ª Edição da Mizuno UpHill Marathon

 

Perfil da Fera da UpHill 25K

Osmário Nunes de Moraes nasceu em Lajedo, Pernambuco, em 22 de maio de 1972. Filho do Seu Oscar e da Dona Creuza, irmão do primogênito Osmar e do caçula José Virgínio. A família se estabeleceu em São Paulo, na cidade de Osasco, na década de 1980. Como a grande maioria dos garotos, tinha o sonho de ser jogador de futebol. E foi daí que ganhou o apelido de Bira. “Eu tinha o cabelo enrolado e um treinador começou a me chamar de Bira Biro (em alusão ao craque do Corinthians da época, o atacante Biro Biro), daí ficou simplesmente Bira”, revela.

Osmário foi atleta federado, atuou no Osasco (atual Audax) e na seleção de futebol de Osasco, apesar da habilidade e excelente condicionamento físico aos 21 anos, a carreira não deslanchou, mas, rapidamente fez a transição para a corrida de rua. Inspirado por um vizinho que corria sempre descalço e por grandes nomes do atletismo brasileiro, Bira começou a conquistar resultados expressivos em corridas pela região de Osasco, Barueri e Carapicuíba. “Eram provas com premiações em dinheiro e corríamos muito forte por causa dos prêmios mesmo”, afirma.

Para garantir o sustento para seguir nos treinamentos, Bira trabalhou na indústria de bens de consumo duráveis e se formou técnico em mecatrônica pelo Colégio Seta, de Osasco e atuou por mais de uma década no segmento. Em paralelo influenciou seu irmão mais novo, José Virgínio de Morais, também decepcionado com a carreira futebolística, a iniciar na corrida a rua. A partir disso a vida de ambos mudou. Virgínio, como é conhecido, deslanchou na carreira de atleta amador e obteve grande destaque em corridas de rua com resultados expressivos como a conquista da Meia Maratona da Disney em 2012, mas, se destacou nas corridas de montanhas, onde se sagrou tricampeão brasileiro (2008 a 2010), além de outros títulos relevantes. Ambos ingressaram na universidade para estudar educação física sob influência do técnico de atletismo, Jair Rosseti, e, há sete anos, Virgínio fundou a assessoria que leva as suas iniciais, a JVM Trail Run, com foco principalmente em corrida de montanhas. Bira que tanto influenciou o irmão mais novo a correr foi retribuído com o convite para trabalhar junto com José Virgínio na assessoria recém-criada.

 

Virginio

José Virgínio de Morais, diretor técnico da JVM Trail Run, tricampeão brasileiro e irmão de Bira

 

 

O divisor de águas para a carreira de treinador viria alguns anos depois, em julho de 2015. Osmário Nunes de Moraes ainda se dividia entre treinador de corridas e supervisor de produção, na indústria de alicates de unhas. Mas ao ingressar na Meditação Assessoria Esportiva, sob indicação do próprio José Virgínio, só precisou dividir seu tempo de treinador entre as duas assessorias, pois hoje é atleta e treinador de corrida em tempo integral, graduado em Educação Física pela Universidade Nove de Julho, profissional devidamente habilitado com registro no Conselho Regional de Educação Física (CREF): 118388-G/SP. Sorte dos seus alunos que podem contar com seus ensinamentos e dedicação, sempre muito atencioso e com grande humildade.

Parabéns Professor Bira!!! O Campeão dos 25K categoria 45-49 anos com muita alegria nas pernas, como costuma dizer, de uma das provas mais difíceis do mundo, a Mizuno Uphill Marathon!

 

Bira Medalha UpHill

 

Professor Bira exibe as medalhas da 5ª Edição da Mizuno UpHill Marathon. A maior é concedida somente aqueles que inalizaram a prova abaixo de 3h30. Com o tempo de 2h 18min 20Seg ele foi o 9º colocado geral masculino e Campeão na faixa etária 45-49 anos em uma das provas mais difíceis do mundo

 

 

 

*Rodrigo Reina é jornalista graduado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e graduando em marketing pela Universidade de São Paulo (USP).